6 comentários:
De Jorge Santos a 8 de Agosto de 2008 às 18:17
Gostaria aqui de cumprimentar, e felicitar o Sr. Professor Arlindo de Sousa, pelos belissimos testemunhos que aqui nos faz chegar, sobre factos, pessoas e acontecimentos que a todos nós que temos um laço umbilical ligado ao Quitexe , nos delicia.
Esta estória " do amigo Morais que aqui nos conta, fez-me recordar juntamente com os meus Pais, momentos ilariantes que passàmos com este grande ser Humano, que foi o Sr. Morais. O meu Pai conhecia a estória " dos 500 Escudos... O amigo Morais para além de um grande amigo da familia , era visita frequente da Fazenda Guerra & Cia. Um dia, numa dessas visitas, o amigo Morais ainda não tinha jantado. A minha Mãe, modéstia à parte, sempre teve um bom dedo na cozinha, e naquele dia em casa havia uma sopa de feijão e outros ingredientes, à qual o amigo Morais não soube resistir. Foi o 1º prato de sopa cheio até transbordar, foi o 2º, foi o 3º até ao 8º prato. Foram 8 pratos de sopa que o amigo Morais virou de uma assentada. Como devem calcular, a panela ficou vazia... Foi uma risada geral para todos.
Não podia deixar de partilhar com voçês, tambem esta maravilhosa estória " do AMIGO MORAIS.
Um abraço ao Sr. Professor, e a todos os amigos do Quitexe .
De Arlindo de Sousa a 8 de Agosto de 2008 às 23:07
Amigo Jorge Santos,

Fico-lhe muito grato pelo seu comentário. É a confirmação de que as qualidades humanas do Sr. Morais eram realmente extraordinárias. Cativavam todos os que eram bafejados pela sorte de o conhecer. Entre muitas outras pessoas, estou convencido de que a maioria dos portugueses, que por razões históricas passaram pelo Quitexe, deve ainda recordar com o maior carinho e respeito a figura comunicativa e alegre do amigo Morais. Sempre irradiando humanidade e boa disposição.
Pela sua mensagem, deduzo, não sei se correctamente, que o amigo Jorge Santos pertence à Família Guerra. Quem não se lembra dos Guerras e do seu dinamismo e importância no desenvolvimento do Quitexe e das suas gentes. Já lá vão quase cinquenta anos, mas na minha mente ainda permanece bem viva a ideia de que eram pessoas de trabalho e de muita acção. Qualidades que naturalmente suscitavam a maior consideração de todos. Inclusive das autoridades administrativas da época.
Termino, fazendo votos para que este espaço, tão bem orientado pelo Sr. João Garcia, possa ser cada vez mais um sítio de encontro autenticamente fraterno. Sempre valorizando a imaterialidade que inequivocamente nos liga ao universo físico e humano do Quitexe. Assim, e no âmbito desta preocupação essencialmente humana, sugiro que ignoremos os títulos académicos ou outros e nos tratemos apenas pelo nome de baptismo.
Para o amigo Jorge Santos e para todos os outros amigos, um grande abraço de,
Arlindo de Sousa
De Jorge Santos a 9 de Agosto de 2008 às 00:48
Amigo Arlindo de Sousa.
Quero tambem agradecer a suas palavras, em resposta ao meu comentário.
Naquela terra, realmente antes dos titulos académicos, valorizavam-se as pessoas pelas suas qualidades humanas. O relacionamento entre as pessoas, era de uma correcção e lealdade sem limites, o que levava a que as classes sociais se diluissem num todo, e se vivesse em saudável convivência.
Amigo Arlindo, de facto não pertencemos à familia Guerra. O meu Pai era Encarregado geral da Fazenda Guerra & Cia.. O sr. Ramos era sim representante da familia Guerra, e Gerente geral da Firma.
O meu Pai tambem lá passou o trágico 15 de Março de 61. Estes HOMENS foram de uma coragem extraordinária, perante tanta tragédia a sua volta. Pelo que li nos seus comentários, o amigo Arlindo tambem atravessou esta fase de 61. Sabe bem o que por lá se passou...
Um abraço para si, e toda a malta do Quitexe...

Comentar post