Domingo, 3 de Junho de 2012

27 de Maio de 77 nas páginas do Jornal de Angola - 2 de junho

O Jornal de Quinta Feira, 2 de Junho trás poucas novidades. Refere-se aos encontros do Presidente com as delegações do governo do Congo e da Frelimo. Realçamos, no entanto, o discurso de Agostinho Neto perante a delegação da FRELIMO. Um discurso comedido, em que tenta enquadrar historicamente os motivos das divergências e remetendo muitas culpas para os extremistas de Portugal.

 

Transcrevemos na íntegra:

 

“ Nós tivemos estes acontecimentos resultantes de uma série de situações que vêm do tempo da guerra e que não foram resolvidas no momento oportuno.

Como o camarada Sérgio sabe, Angola teve durante a luta várias regiões, várias tendências que não comunicavam umas com as outras. Houve uma altura em que nós quisemos fazer a comunicação entre a Quarta Região e a Primeira Região e os nossos camaradas foram massacrados no limite ocidental da província de Lunda.

 

Alguns camaradas estiveram muito tempo na cadeia, outros camaradas desapareceram, mas o que é certo é que nós sofremos naquele momento perdas e portanto houve uma divisão dos indivíduos que dirigiam a luta em várias regiões, alguns dos quais são aqueles que hoje estão em fuga. Eu não disse “camaradas” porque finalmente, estamos a ver que nem todos eram realmente camaradas.

 

E agora, depois da independência, começaram a revelar-se as ilhas políticas que nós temos aqui em Angola. Ilhas políticas que tinham ideias diferentes e a confrontação que se fez agora é uma confrontação entre radicais e os camaradas que seguem a linha do Movimento. Os radicais são apoiados pelos extremistas de Portugal, ainda têm relações muito íntimas com Portugal. São indivíduos que funcionaram sempre dentro das ideias dum esquema europeu e extremista de organização.

A confrontação principal aqui é que nós defendemos  a unidade nacional. Eles não, eles gostariam de ver uma Classe Operária a governar, mas a governar sozinha e combatendo, continuamente, as outras classes.

 

Eu não concebo isto, não houve da parte de nenhum país socialista uma atitude dessas. E se nós não estamos de acordo com certas práticas sociais e políticas duma pequena burguesia, dum campesinato, isso não significa que devemos abandonar. É preciso dirigir para ser todo o Povo junto.

 

Um dos pontos que foi atacado muito frequentemente foi a quetão racial. Esses indivíduos pensavam que era preciso retirar brancos e mestiços da direção e isso justifica alguns ataques individuais em relação a certos dos nossos camaradas dirigentes. E é extremamente infeliz que, neste momento, em que nós acabamos apenas de assistir a confrontações militares junto das nossas fronteiras, na fronteira oriental e nós fomos atacados na fronteira sul, pelos sul-africanos, em Santa Clara, que tenha haviso esta coincidência. Talvez tenha sido apenas uma coincidência mas o que é certo é que há estrangeiros que estão implicados neste processo.

Portanto, eu penso que o Povo de Angola não vai continuar a ter uma posição que possa complicar ainda mais o nosso processo de reconstrução e vai, como eu faço agora, agradecer aos camaradas de Moçambique que vieram aqui para se informar e para nos trazer o seu apoio.

 

Portanto a luta continua. Muito obrigado.”

 

No editorial referem-se às relações com a União Soviética, embora não se mencione este país:

 

(…)“ Daí a certeza absoluta de que a nossa independência de decisão não pode ser interpretada como hostilidade a este ou aquele país com quem temos profundos laços de amizade, como igualmente não pode ser interpretada por ninguém como posição de aproximação de linhas que desde sempre nos foram irredutivelmente opostas. (…)

Estamos ligados por laços indestrutíveis aos países socialistas e estamos abertos às relações de mútuo respeito e não ingerência com todos os países do mundo. Tal posição de sempre, não nos coíbe, no entanto, de afirmarmos as nossas posições relativamente a todos os problemas que nos digam respeito de perto ou de longe. Do mesmo modo que o fraccionismo, usando uma cobertura pseudo-revolucionária, terá impressionado alguns entre os nossos amigos (…)”

 

Vão sendo publicadas mensagens de todo o país de repúdio pela ação dos nitistas:

 

 

 

 

 

 

Na última página a fotografia do Comandante Nzaji

 

publicado por Quimbanze às 08:27

link do post | comentar | favorito
|

.OUTRAS PÁGINAS

.posts recentes

. Município de Quitexe nece...

. O Nosso Bondoso Director

. Associação da União dos N...

. Governador do Uíge emposs...

. Plano Urbanístico do Quit...

. Fotografias do Quitexe - ...

. 15 de Março - "Perderam-n...

. Comentário de Victor Roma...

. Quitexe: Aumenta índice d...

. Cafeicultores do Quitexe ...

.FOTOS

.MAIS FOTOS

.arquivos

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Novembro 2014

. Março 2014

. Janeiro 2014

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Janeiro 2013

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

.mais sobre mim

.Outubro 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.pesquisar

 

.VISITAS

.ONDE ESTÃO

.No Mundo

.subscrever feeds