Segunda-feira, 2 de Março de 2009

Histórias do início e do fim da Guerra (Colonial)

 

 
Nas últimas conversas com o meu Tio Alfredo Baeta Garcia ouvi estas histórias que deixo aqui registadas, salvaguardndo-as do esquecimento até que, como diz o meu tio, ninguém mais se interesse pelos factos que apenas marcaram a geração  que os viveu.
 
No início
 
Decorria longo o ano de 1961, e já  uma companhia do exército  estava instalada no Quitexe.
Eu dava-me muito bem com todos os oficiais da Companhia e, normalmente almoçava com os alferes numa messe improvisada para oficiais. Tinha com todos uma relação bastante cordial e um dia dizem-me que receberam ordens para fazer uma batida na zona por trás da minha fazenda.
Fiquei preocupadíssimo: Não tinha defesa civil na fazenda e, com certeza, as populações que tinham fugido para a mata iriam julgar que a iniciativa do ataque era minha e a fazenda seria objecto de represálias. Até ali e, tirando um assalto à procura de armas (que não havia) no inicio dos combates, a fazenda não tinha sido atacada. Expliquei as minhas preocupações aos oficiais, que as entenderam, mas nada podiam fazer. Eram ordens superiores do comandante do batalhão. Dirigi-me, então, ao Pumbassai onde estava sediado o comandante, um tenente-coronel. Recebeu-me muito afavelmente e expus os meus argumentos. Eis senão quando, se levanta um capitão e atira:  
 
- Sem me querer imiscuir na decisão do Sr. Comandante, este senhor devia ser imediatamente preso porque o que pretende é a protecção dos turras! Apresente imediatamente o seu bilhete de identidade!
 
Depois de algumas peripécias que passaram até pela acusação de falsificação do BI, lá me deixaram partir, mas com um aviso bem ameaçador: Se na batida não fosse encontrada resistência é porque teria havido um delator que, obviamente seria eu! Regressei ao Quitexe, mas seguido por um jipe da tropa. Transmiti aos oficiais do Quitexe o que se tinha passado. Como eram meus amigos logo me descansaram:
 
-Não te preocupes, quer encontremos ou não alguém, o relatório irá dizer que houve resistência.
 
Fiquei mais calmo. De facto nunca tive qualquer contacto com os sublevados. Uma vez, com conhecimento do Administrador, ainda deixei uns panfletos apelando ao seu regresso, com a garantia de que não seriam molestados. Mas não obtive qualquer resultado.
 
No fim, em 1974
 
Com o fim da guerra começaram a chegar as populações que tinham andado 13 anos escondidas na mata ou que tinham procurado refúgio no vizinho Congo (Zaire). A atitude dos primeiros veio a revelar-se muito mais afável que a dos emigrados à força, distantes e desconfiados. Um dia soube que tinham regressado os habitantes do Mongage, uma sansala na direcção de S. José do Encoge que eu conhecia muito bem, antes do 15 de Março de 61. Com autorização do Administrador levei-lhes uns bens alimentares: açúcar, sal, peixe seco, feijão e fuba. Ficaram todos muito gratos. Passados uns dias aparecem-me na fazenda os mais velhos do Mongage com uma oferta. Uma galinha magra e escanzelada que era um dos seus bens mais preciosos, criada na mata, entre fugas constantes. Fiquei verdadeiramente sensibilizado com este gesto. Apesar de toda a guerra passada era possível manter-se uma sã convivência alicerçada no respeito mútuo. Infelizmente outros interesses se levantaram e a guerra continuou tão ou mais cruel e com efeitos devastadores para esta gente que bem merecia a paz.
publicado por Quimbanze às 22:04

link do post | comentar | favorito
|

.OUTRAS PÁGINAS

.posts recentes

. Batalhão de Caçadores 3 e...

. Município de Quitexe nece...

. O Nosso Bondoso Director

. Associação da União dos N...

. Governador do Uíge emposs...

. Plano Urbanístico do Quit...

. Fotografias do Quitexe - ...

. 15 de Março - "Perderam-n...

. Comentário de Victor Roma...

. Quitexe: Aumenta índice d...

.FOTOS

.MAIS FOTOS

.arquivos

. Junho 2017

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Novembro 2014

. Março 2014

. Janeiro 2014

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Janeiro 2013

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

.mais sobre mim

.Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.pesquisar

 

.VISITAS

.ONDE ESTÃO

.No Mundo

.subscrever feeds