Domingo, 4 de Setembro de 2016

O Nosso Bondoso Director

O Quitexe, em relação à sua dependência administrativa, faz lembrar certos estados da Europa Central e dos Balcãs, que em curtos períodos da sua história passaram a estar na dependência ora de um, ora de outro estado, conforme os caprichos dos homens, as mais das vezes e raramente de harmonia com os seus interesses e relações naturais.

Umas vezes estava integrado no concelho de Ambaca e no distrito do Congo, outras no do Cuanza Norte, finalmente no Concelho do Dange, em que acabou, como sede desse concelho, então criado, embora transitando ainda para o distrito do Uíge.

Em qualquer dessas situações nunca entraram em consideração factores de ordem geográfica e étnica que deveriam ser os mais determinantes, nem tão pouco os de natureza económica, que a partir de certa altura também já eram relevantes.

Neste caso, pelo menos, a divisão administrativa era feita em cima do joelho, por qualquer csar instalado em Luanda, sobre um mapa em que os interesses de alguns faziam desenhar as mais extravagantes figuras.

Isto não teria mais interesse, para além daqueles que resulta de mais uma situação anómala a juntar a tantas outras, se não trouxessem ao grémio das gentes do Quitexe uma figura destacada na galeria dos seus elementos, o então director da Administração Civil do Uíge, o velho Dr. Borja Santos, cabo-verdiano há muito radicado em Angola e que ele mesmo inculcava deverem chamá-lo de “nosso bondoso director” e que as mais das pessoas não tinham relutância em fazer para não desgostarem o velho e também, porque efectivamente não parecia mau homem.

A razão da sua vinda foi igual à de tantos outros: demarcar terrenos para roça de café, e porque não, se até o padre Rosa já tinha uma demarcação no vale do Loje.

Deitou as vistas para uns terrenos à beira da estrada, em frente ao Matos Vaz enxameados de lavras dos povos do Quimassabi e do Quitoque. Tirou uma licença de mil hectares que legalizou no Cadastro como ocupante dessa área. Só que, mesmo ocupando todo o terreno pertencente a essas duas senzalas, nem a quinhentos hectares chegaria.

Isso, aliás, não o preocupou, por aí além.

Não fez concretamente a demarcação no terreno, já porque a licença requerida lá não cabia e também porque iria alarmar desnecessariamente os donos das lavras, que calmamente expulsaria depois, um a um, sem alarmes nem problemas que a tentativa de ocupação total ocasionaria.

A meio da encosta fez uma cubata onde ia passar os fins-de-semana, as mais das vezes a semana inteira, já que a administração Civil passava bem sem a sua presença.

Conforme ia correndo com os negros das suas lavras, aumentava por esse meio a área cultivada e a produção, que mesmo assim nunca passou de pouco mais que nada, à escala de fazenda de branco, pois nesta época, antes das plantações extensivas, dois ou três pés de café constituíam a maior parte das lavras, mesmo assim plantadas pelos morcegos com os restos das suas refeições de café-cereja.

O chefe do posto do Quitexe, em atenção à sua posição hierárquica, mandava para lá trabalhar todas as semanas meia dúzia de homens daqueles que os sobas de todas as senzalas tinham que mandar obrigatória e gratuitamente trabalhar para a granja administrativa do Posto, e que mesmo a própria alimentação tinham que levar da senzala para aquela semana de corveia.

Entre patrão e empregados nunca houve questão com contas. Estavam sempre certas e em dia, até que certa vez um mais animoso, parecendo-lhe que não era a mesma coisa a semana de trabalho que tinha que cumprir na Granja, que era do Estado, e aquela que igualmente cumpria na tonga do nosso bondoso director, encheu-se de coragem e foi pedir contas num sábado, antes de abalar para o seu povo.

- Contas? Então tu não sabes que eu é Estado?

- Não estás a ver estas biçapas?

- Estado é estado, não é patrão de pagar!

E assim continuou ainda por algum tempo, até que a reforma o apeou do galarim e deixou de ser Estado, assim como a fazenda deixou de existir.

 

Alfredo Baeta Garcia

publicado por Quimbanze às 21:35

link do post | comentar | favorito
|

.OUTRAS PÁGINAS

.posts recentes

. Batalhão de Caçadores 3 e...

. Município de Quitexe nece...

. O Nosso Bondoso Director

. Associação da União dos N...

. Governador do Uíge emposs...

. Plano Urbanístico do Quit...

. Fotografias do Quitexe - ...

. 15 de Março - "Perderam-n...

. Comentário de Victor Roma...

. Quitexe: Aumenta índice d...

.FOTOS

.MAIS FOTOS

.arquivos

. Junho 2017

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Novembro 2014

. Março 2014

. Janeiro 2014

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Janeiro 2013

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

.mais sobre mim

.Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.pesquisar

 

.VISITAS

.ONDE ESTÃO

.No Mundo

.subscrever feeds