Quarta-feira, 31 de Dezembro de 2008

Vista aérea

A magnífica fotografia aérea, tirada em Março de 1967,que colocamos na anterior intervenção, foi-nos cedida por José Lapa, CCS do Batalhão de Artilharia 786, que esteve no Quitexe no período 65-67. Esta foto vem completar a planta do Quitexe elaborada pelo meu tio Alfredo Garcia http://quitexe-historia.blogs.sapo.pt/5771.html  e confirma, no essencial, a justeza desta. Denotam-se apenas alguns problemas de escala que irei corrigir.

 

De realçar na fotografia a inexistência, à data, de alcatroamento nas ruas, nem de iluminação pública. São bem visíveis os anexos construidos pela tropa nos logradouros das casas por si alugadas. O jardim da administração ainda não existia e o Clube estava em início de construção. É bem visível o polidesportivo construido atrás da escola.

Jogo de voleibol no polidesportivo - 1968 (fotografia de José Oliveira)

publicado por Quimbanze às 09:33

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Terça-feira, 30 de Dezembro de 2008

Feliz 2009

 

Desejo a todos os naturais e amigos do Quitexe um Feliz Ano Novo!
 
Que em 2009 se concretizem os vossos sonhos, os vossos anseios e que o Quitexe continue na senda do desenvolvimento e bem-estar social de todos os seus habitantes!
 
 
João Garcia
publicado por Quimbanze às 09:08

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Terça-feira, 23 de Dezembro de 2008

Inauguradas as obras de reabilitação da Igreja


 

 

Uíge – Os munícipes de Quitexe, 40 quilómetros a sul da cidade do Uíge, contam, desde o último fim-de-semana, com uma Igreja Católica reabilitada, cujo acto de inauguração foi orientado pelo bispo da diocese do Uíge, dom Emílio Sumbelelo.

As instalações, cujas obras de restauro duraram três meses, tem capacidade para albergar 350 cristãos. A empreitada ficou avaliada em 150 mil dólares pagos pela Sonangol.

Em declarações à Angop, dom Emílio Sumbelelo disse que a igreja da comunidade de Quitexe, dedicada à mãe de Deus, reabriu as portas para o culto, e pediu o empenho de todos membros, no aprimoramento da obra sagrada.

O bispo afirmou que o templo vai melhorar o nível de trabalho dos cristãos, com vista a salvação de todos aqueles que crêem em Deus.

publicado por Quimbanze às 22:12

link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 9 de Dezembro de 2008

Uíje revitaliza plantação de arroz

 

Cento e 78 hectares de terra foram lavrados e neles lançados sementes de arroz  nos municípios de Quimbele, Quitexe, Songo, Buenga e Sanza Pombo, no quadro da primeira época agrícola 2008/2009, informou à Angop, Miguel Mbemba Mata , ligado ao Instituto de Desenvolvimento Agrário (IDA) na província.

Ler mais em QUITEXE - NOTÍCIAS

 

 

publicado por Quimbanze às 22:24

link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 8 de Dezembro de 2008

Bar do Pacheco

1968 - A rua ainda estava em terra batida ( Foto de José Oliveira "César")

 

 

2007

 

 

 

"Volto ao Quitexe e preparo-me para jantar, como de costume, no restaurante do Pacheco. Depois irei saber a hora para que estou escalado de guarda ao restaurante, agora transformado em dormitório e defendido toda a noite. Fazem-se turnos de uma hora , desde as 10 h da noite até às 6 da manhã. A vigia é feita no terraço que serve de pala à varanda do restaurante. Ali, durante toda a noite, dois homens, por turno, esperam de peito descoberto, o mais pequeno sinal de ataque para darem o alarme e abrirem fogo. Rara é a noite em que o alerta não soe, quase sempre vindo da Administração, onde estão alguns tropas e civis. O grito de alerta, normalmente seguido de disparos, é uma coisa terrível pois as pessoas que estão, por vezes, no primeiro sono entram em pânico. Uns correm descalços, outros em cuecas (que era o meu caso), outros tremem, outros choram, mas todos vão ocupar os seus lugares e ali ficam esperando o ataque. Passada meia hora chega-se à conclusão que, como sempre tem acontecido, é alarme falso.
 
            Nesta noite vou estar de vigília, fazendo companhia aos companheiros que, de hora a hora, se vão revezando. Sentado num caixote na pala da varanda (de onde, de dia, se avistam os armazéns da minha fazenda) estou ali expectante, esperando que algum clarão de fogo rompa a noite como sinal do incêndio da roça. Até às seis horas da manhã nada acontece. Termina a vigia, o pessoal que dormiu na camarata improvisada começa a aparecer para tomar o café. Para mim esta terá sido a noite mais longa de todas as noites."
 
Quitexe 61 - Uma Tragédia Anunciada
João Nogueira Garcia

 

publicado por Quimbanze às 10:32

link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 6 de Dezembro de 2008

Angola - O Jardim dos Anjos V - Manuel Correia

Trata-se de um conto de Manuel Correia pseudónio de um Luso/Angolano de Benguela, vivendo em Luanda, não publicado em livro, mas num sítio de literatura – Recanto das Letras
 
 
Um conto que tem o Quitexe como fundo, diamantes e ex-colonos. Com algumas imprecisões históricas e geográficas, desculpáveis a um benguelense, o autor tece uma história com “suspense” que mantém o leitor atento até ao final do texto.

 

 

Ler mais em  O QUITEXE NA LITERATURA

publicado por Quimbanze às 19:22

link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 1 de Dezembro de 2008

Relatos da guerra colonial - Correio da Manhã

 

Correio da Manhã - 30 Novembro 2008
 
A Minha Guerra - João Correia de Sousa - Angola 1961/62
 
"Dois bebés tirados do berço foram mortos"
 
 
João Correia de Sousa foi 1.º cabo radiotelegrafista, no Regimento de Infantaria (RI) 14. Em Angola, esteve nas zonas de Carmona, Quitexe, Songo, 31 de Janeiro, Tôto e Negage. Partiu a 5 de Maio de 1961 e regressou de Luanda a 24 de Dezembro de 1962, tendo chegado a Portugal a 7 de Janeiro de 1963.
 
A 5 de Abril de 1959 fui incorporado no Batalhão Telegrafista em Lisboa, onde tirei a especialidade. A 5 de Maio de 1961 embarquei no navio Rita Maria com destino a Angola e a uma guerra cujas motivações desconhecia quase por completo. No momento em que soou aquele apito arrepiante, sinal de que o barco ia largar amarras, uma escuridão interior apossou-se de mim, porque deixava para trás os meus entes queridos e passei a ter sempre presente na mente a hipótese de não os voltar a ver.
 
A viagem foi muito atribulada, a tristeza que me invadia a alma era aterradora. Um dia, um senhor perguntou-me: 'Qual é o seu sofrimento?' E eu desabafei: 'Ficaram no Cais de Alcântara, em Lisboa, a minha mãe sem amparo de ninguém e o meu irmão menor'.
 
A 18 de Maio de 1961 pisei, finalmente e pela primeira vez, o solo angolano. Era outro mundo, o rosto das pessoas era aterrador. Fui integrado na Companhia de Caçadores Especiais 82, no Regimento de Infantaria 14, de Viseu, acantonado em Carmona ou Uíge. Os dias iam correndo desoladores. Nas janelas, em vez de vasos de flores ou outras decorações, havia barricadas feitas com sacos de areia para enfrentar os ataques dos inimigos.
 
Nos primeiros seis meses não soube o que era dormir num lençol, numa cama lavada, porque nos deitávamos sempre vestidos, tendo como companheira apenas uma arma de fogo. O começo foi logo muito chocante e atribulado – sofremos três baixas e alguns feridos. O ambiente era constrangedor, todos chorávamos a morte dos nossos camaradas. Encontrávamo-nos na zona mais perigosa do Norte de Angola. Saíamos quase sempre à noite, para não sermos vistos pelos inimigos, e quando havia ordem para queimar uma sanzala, tudo à volta era infernal: ouviam-se crianças a gritar. Os seus pais, aqueles que eram alvejados, caíam no chão ensanguentados com os filhos deitados a cobrir os seus corpos. Ao fim de tantos anos, ainda recordo aquelas imagens horrendas e devastadoras. Ainda hoje guardo uma fotografia de dois bebés arrancados do berço, que ficaram mortos no meio da terra batida, depois de um ataque, e de outras pessoas falecidas durante os combates.
 
O nosso receio, cada vez que saíamos em missão, era tanto que confiávamos alguns (poucos, porque não possuíamos mais) valores aos amigos mais próximos, porque nunca sabíamos se iríamos voltar vivos. Uma das operações que mais me marcou aconteceu na zona de Carmona, a 21 de Agosto de 1962. Fomos chamados à fazenda de D. Maria José, mas quando chegámos era tarde de mais. Tudo o que encontrámos estava destruído. Ficámos lá uma noite e dormimos em cima de uma rima de café ‘Uma Fortuna’.
 
No dia seguinte aconteceu o pior, quando estávamos de regresso. Os turras tinham destruído uma ponte e fomos obrigados a parar. O capim era muito alto e cobria as viaturas, por isso não tínhamos visibilidade e, de um momento para o outro, começaram os ataques do inimigo. Por milagre, um tiro não me atingiu porque fez ricochete na chapa do jipe. O nosso furriel Miguel (chamávamos-lhe o furriel ‘Carola’) não teve a mesma sorte e foi atingido à queima-roupa na cara. Teve morte imediata. Foram momentos de muita dor, não há palavras para descrever aqueles momentos! Era um grande amigo, que ainda hoje recordo com muita saudade.
 
Para esquecer os maus momentos bebíamos as famosas canecas de cerveja. O nosso lema era muito realista: 'Matar para viver, cerveja para esquecer'. Eu não era amigo das ‘caçadas’ ao homem, antes gostava era de caçar frangos e galinhas. Quando terminava cada missão, tinha sempre como compensação quatro ou cinco frangos pendurados à cintura. Ainda hoje não consigo agarrar em carne crua, um trauma que me vai acompanhar até ao fim dos meus dias, resultante daqueles tempos por terras de Angola.
 
Entre estes momentos, mais caricatos, e os horrores da guerra, tenho de dizer que no Norte de Angola só os que lá estiveram sabem das atrocidades que foram cometidas. Entre os guerrilheiros da União dos Povos de Angola, que começou a luta armada em 1961, no Norte do País, em Uíge, a loucura era tanta que não tinham medo de morrer a tiro. Na mente deles, acreditavam na palavra mágica ‘maza’ (metal desfeito em água) que os tornava imunes às balas. Por isso, atacavam sem dó, nem piedade, mesmo no que respeita à sua própria vida.
 
Apesar dos tempos difíceis por que passei, do medo que se instalou dentro de mim durante a comissão, acabei por ter mais sorte do que muitos camaradas que deram a vida na Guerra do Ultramar e muitos habitantes e guerrilheiros locais que também morreram nas sanzalas e nos combates no meio dos matagais enormes, que mal deixavam ver as pessoas e as viaturas. Regressei de Luanda sem qualquer ferimento físico a 24 de Dezembro de 1962 e cheguei à Metrópole a 7 de Janeiro de 1963. Depois, consegui refazer a minha vida e constituir uma família de que me orgulho, apesar de os traumas daqueles tempos nunca mais terem desaparecido de todo.
 
Correio da Manhã - 30 Novembro 2008
publicado por Quimbanze às 09:12

link do post | comentar | favorito
|

.OUTRAS PÁGINAS

.posts recentes

. Município de Quitexe nece...

. O Nosso Bondoso Director

. Associação da União dos N...

. Governador do Uíge emposs...

. Plano Urbanístico do Quit...

. Fotografias do Quitexe - ...

. 15 de Março - "Perderam-n...

. Comentário de Victor Roma...

. Quitexe: Aumenta índice d...

. Cafeicultores do Quitexe ...

.FOTOS

.MAIS FOTOS

.arquivos

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Novembro 2014

. Março 2014

. Janeiro 2014

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Janeiro 2013

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

.mais sobre mim

.Outubro 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.pesquisar

 

.VISITAS

.ONDE ESTÃO

.No Mundo

.subscrever feeds