Quinta-feira, 28 de Junho de 2007

Qual o nome oficial do município que tem por sede a vila do Quitexe?

 

Em 1961 foi criado o concelho do Dange, que abrangeu a área do antigo posto administrativo do Quitexe e uma área para sudoeste com as localidades de Aldeia Viçosa, Vista Alegre e Cambambe. Actualmente que nome tem este município que conta (ao que suponho)com quatro comunas: Quitexe, Quitende (Aldeia Viçosa), Quifuafua (Vista Alegre) e Cambambe?

Na maior parte das publicações oficiais vem referido o nome de Quitexe (por vezes, Kitexe) e, em menor número Dange-Quitexe. Nunca encontrei apenas o nome Dange.

Haverá, por aí, alguém que saiba esclarecer?

 

 

 

publicado por Quimbanze às 23:34

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Domingo, 24 de Junho de 2007

DR ASSOREIRA- O HOMEM E O MÉDICO

Por João Nogueira Garcia

.

Cabe aqui relatar um dos acontecimentos que mais cimentou a grande amizade e respeito que eu nutria pelo Dr. Assoreira, como homem e como médico.

 

            Certo dia, em conversa, eu, o meu irmão Alfredo e o Mário Carranca concluímos que uma cerâmica no Quitexe seria um investimento rentável dado o volume de construção e a falta de materiais pois desde o tijolo à areia e ao cimento, tudo vinha de Luanda. De cerâmica, todos os três percebíamos tanto como de um lagar de azeite... Mesmo assim, e segundo a técnica africana do desenrasca, fomos ver onde poderia haver barro e onde comprar a máquina de fazer tijolos e telhas; os barracões de secagem seriam conforme o modelo africano de pau a pique e cobertura em chapas de alumínio. Alguém que saiba trabalhar com as máquinas e com o forno virá mais tarde.

 

            Vamos fazer uma sociedade que se dominará “Cerâmica do Encoje L.da”. Feita a escritura encomendamos à firma Costa Neri uma fieira para tijolos e uma prensa para telha. Esperamos, agora, a vinda do barco de Portugal trazendo as máquinas enquanto se vão fazendo os barracões e o forno.

 

            Uns tempos depois a cerâmica, que ficou localizada junto à nascente do Rio Cassenge, no limite da nossa fazenda e da sanzala do Quimassabi, está pronta a laborar. Um motor Lister de 30 cv fará mover todas as máquinas e já temos um empregado, recém chegado de Portugal, que diz ter trabalhado numa cerâmica. Foi , então, feita no local uma provisória cubata onde o empregado Baltazar pernoitava e, ao lado, uma cozinha com uma divisão para o criado, que também era cozinheiro, dormir e fazer companhia ao branco.

 

            O Baltazar é um rapagão forte, com 22 ou 23 anos cheio de vontade de triunfar na vida. É Minhoto o que não é vulgar no norte de Angola onde os Beirões e Transmontanos são predominantes. Como novo que é foram-lhe transmitidos os cuidados a ter, sobretudo com o paludismo: tomar todos os dias quinino ou camoquine e dormir sempre com mosquiteiro. Esta é uma regra de procedimento que não deve ser esquecida pese, embora, o zunido nos ouvidos provocado pelo quinino e o calor mais abafado na cama com o uso do mosquiteiro. A vida na Cerâmica segue a compasso lento, enquanto o pessoal se vai adaptando a trabalhar ao ritmo das máquinas. Aos domingos o Baltazar vem almoçar ao Quitexe e, à noite, lá o vou levar.

 

            Certo dia, a meio da semana, aparece-me na loja do Quitexe o criado do Baltazar muito aflito dizendo que o branco da cerâmica estava com muita febre e a urinar sangue e pedia ao patrão para o ir buscar. Digo à Aline para ficar na loja e vou para a cerâmica.

 

            Lembrei-me do Miranda que três anos antes havia morrido com uma biliosa e entrei em pânico.

Quando cheguei ao Quitexe, levei o Baltazar para um quarto anexo da casa enquanto segui para o posto

 sanitário para trazer o Monteiro, enfermeiro branco, que ao ver a febre alta e a urina com sangue torce o nariz.

-         E agora, enfermeiro Monteiro?

-         Tem que ir ver se o Dr. Assoreira  está na fazenda pois ele é o único médico em Angola que nunca deixou ninguém morrer com uma biliosa.

 

Vou, então, para a Quinta das Arcas, propriedade do Dr. Assoreira. Tive sorte, ele estava em casa.

 

-         Entra, oh João!

-         Não vale a pena, Doutor!, e relatei-lhe o sucedido.

-         Vai andando pois tenho que avisar o Galina de que vou ao Quitexe.

 

Arranquei, o Monteiro ainda estava junto ao doente aguardando o meu regresso. Passados dez minutos chega o doutor e vamos os três ver o doente.

-         Monteiro, tira-lhe a febre e tu, Baltazar vê se consegues urinar para este frasco.

 

A febre está alta e o Baltazar, sentado na cama lá consegue... O frasco fica meio, mas a cor da urina é da cor do sangue.

 

-         Oh Monteiro no Posto há soro?

-         Há sim Sr. Doutor.

-         Então põe-o já a soro, vamos ver se baixamos a febre e se a urina começa a clarear. Entretanto dá-lhe estes medicamentos que amanhã venho ver como é que ele reage ao tratamento.

 

O Dr. Assoreira é visita assídua cá de casa. Sempre que aqui passa vem cumprimentar-nos. Vamos para a sala e ele confirma que o rapaz está com uma biliosa, mas só amanhã se pode saber como vai evoluir. Relato-lhe o caso do Miranda, três anos antes:

 

-         Este vai ter assistência pois eu vou acompanhar a doença.

-         Bem-haja!

-         Tem é que vigiar o enfermeiro Monteiro, porque se lhe dá para a bebedeira...

-         A quem o diz.

 

O enfermeiro era um bom profissional mas só da parte da manhã; de tarde embriagava-se e eu era, todos os dias,  a última vítima a ter que o aturar no regresso ao posto sanitário.

 

            Começo a ficar apreensivo, pois não há maneira da febre baixar e as urinas aclararem. O Dr. Assoreira volta no outro dia e, também ele torce o nariz. Depois de auscultar o doente e analisar a urina o médico conclui que não há melhoras, antes pelo contrário, todo o organismo enfraquece rapidamente e, então pede-me para ir à farmácia do Uíge buscar plasma sanguíneo.

 

            Eu chamo o cozinheiro Ramiro para vir comigo e o Doutor volta para a fazenda, que dista vinte e tal quilómetros do Quitexe, prometendo vir logo à noite para injectar o plasma. Duas horas e meia depois estou de volta e fico a fazer companhia ao Baltazar que fala da mãe e do pai e da febre que não o larga. Tento animá-lo, que vai tudo correr bem. Quando eu não estou o Videira (mafuca da loja) ou o Oliveira ficam de sentinela à porta do quarto. O Ramiro, cozinheiro, vai fazendo uns caldos que o Baltazar a custo engole. O fantasma da morte começa a atormentar-me, lembrando-me cada vez mais do drama de há três anos com o Miranda.

 

            No fim do jantar o médico volta para aplicar o plasma. Vou buscar o enfermeiro e fico a assistir ao tratamento, mas a urina não dá sinais de aclarar e já vamos no segundo dia de tratamento. A nossa esperança é que a aplicação do plasma venha alterar a situação.

 

            Durante a noite levantei-me três vezes para ir ver o doente; só uma vez se apercebeu da minha presença, pus-lhe a mão na testa e noto que tem muita febre. O Videira, que está à porta dorme e nem deu pela minha entrada no quarto.

 

            Logo de manhã o Abílio Guerra e o Jaime Rei vêm saber como está o doente. O Carranca, Chefe de Posto, também aparece para saber da evolução da doença. Às onze horas chega o Dr. Assoreira que, depois de observar o Baltazar, começa a sentir-se impotente para debelar a doença pois o plasma não deu o resultado esperado. Aparece, então, o Baptista do Pumbaloge a perguntar pelo rapaz:

 

-         Está muito mal; Um jovem com 23 anos, um rapaz na flor da vida e vai morrer e logo na minha casa!

 

            O Dr. Assoreira ouviu o meu comentário. Olho para a sua cara e vejo nele um homem inconformado, disposto a desafiar a tragédia da morte. Diz-me que volta à fazenda buscar uns livros e umas seringas e, logo que possa, regressa.

 

            O Enfermeiro Monteiro tomou consciência da situação e, já ontem de tarde, se manteve sóbrio. E calculo o esforço daquele homem que, já viciado no álcool, me vem pedir um copo de água, em vez de aguardente ou conhaque.

 

             O Dr. Assoreira, que nestes dias entregou ao Galina ( um cabo-verdiano que era o seu homem de confiança) a missão de tomar conta da fazenda, volta de novo para o Quitexe; tira da carrinha uns três livros volumosos, um estojo com três grandes seringas e outros utensílios de cuidados de saúde. Vai sentar-se na sala e ali fica, durante algum tempo, lendo ora num, ora noutro livro. A seu pedido vou chamar o enfermeiro a quem ele incumbe de ferver as seringas e agulhas pois resolveu, mesmo sem condições apropriadas, fazer uma transfusão de sangue.

 

            Agora é preciso arranjar dadores e ver se o sangue é compatível com o do Baltazar. Vou falar com os vizinhos, o Abílio, o Jaime Rei e, também o Rocha todos nós estamos disponíveis. O médico coloca no parapeito da janela uma lamela, o enfermeiro tira uma pequeníssima quantidade de sangue ao paciente e, cada um de nós deixa cair separadamente uma gota de sangue, extraída da ponta do dedo, sobre a lamela. Agora o doutor deita uma gota de sangue do Baltazar ao lado de cada uma das nossas e, pegando no estilete tenta uni-las numa só. Mas má sorte, nenhuma das nossas quatro gotas se ligou, os tipos de sangue eram incompatíveis. É o desânimo em todos nós, pois estávamos desejosos por ajudar a salvar o Baltazar.

 

             Já é noite, cada um regressa às suas casas. Fico apenas eu e o médico, e a Aline que se juntou a nós depois de adormecer o Tózé. Resolvemos esperar pelo Fiúza, que dormia lá em casa, por uns dias, mas que tinha ido ao Uíge para jogar e beber whisky. Já era perto da meia-noite quando o Fiúza aparece. Posto ao corrente da situação adere sem hesitação. E lá se torna a repetir a operação, agora sem a ajuda do enfermeiro que também foi para casa: primeiro a gota de sangue do Baltazar na lamela e depois o Fiúza a deixar cair uma sua ao lado. Milagre! As duas gotas formam uma só! Está encontrado o dador, que de imediato se vai deitar na cama, enquanto três grandes seringas são alinhadas ao lado do seu braço. A Aline arranja uma tigela de loiça e uma colher, tudo bem desinfectado. A tigela serve para pôr o sangue extraído pelas seringas e a colher para o ir mexendo, afim de não coalhar. Este serviço está a cargo da Aline. Eu seguro o petromax que dá boa luz.

 

            A operação vai começar. A agulha já está dentro da veia do Fiúza e, lentamente, vai enchendo as seringas que, uma a uma vão sendo despejadas na tigela; a Aline não pode parar de mexer. De seguida, o Dr. Assoreira com a seringa, a Aline com o sangue e eu com o candeeiro vamos para o outro quarto repetir a operação mas em sentido inverso. Agora o Baltazar é o receptor. A operação é lenta mas, por fim o Baltazar tem a circular nas suas veias três seringas de sangue novo

.

            O Dr. Assoreira, homem rijo como o granito das penedias do seu Trás-os-Montes, está exausto. A luta que trava, em condições tão precárias, contra a morte não tem paralelo nos anais da história da medicina da região. Agora, com a certeza do dever cumprido, regressa à sua Quinta das Arcas esperando que, no dia seguinte, o efeito da  transfusão se faça sentir e o doente comece a apresentar sinais de melhoras.

 

            A nossa vizinha D.ª Helena, pessoa muito católica, que acompanha a situação do Baltazar, temendo um desenlace fatal pede ao marido, Abílio Guerra, para ir a Camabatela, à Missão dos Capuchinhos, buscar um padre italiano para dar a extrema-unção ao moribundo.

Depois do almoço eu e o enfermeiro esperamos pelo médico, mas o Monteiro está muito preocupado pois o coração do Baltazar está cada vez mais fraco. Com a chegada do doutor vamos os três a caminho do quarto, que era um anexo da casa, quando nos surge pela frente, saindo do quarto, um padre barbudo, todo paramentado. O Dr. Assoreira, sentindo-se chocado, apenas diz:

 

-         Eu ainda não me fui embora!

           

 

 

 Dr. Assoreira no Posto Administrativo do Quitexe

 

  

Entramos no quarto e, de facto o coração do Baltazar não vai resistir muito mais tempo. O médico pergunta ao enfermeiro se ele tem ali óleo canforado:

 

-         Está aqui uma ampola .

-         Então, por descargo de consciência, injecta-lhe na veia 1 cm3

.

            Passados uns segundos o coração reage favoravelmente e, lentamente, o ritmo recupera. Agora vamos esperar. Uma hora mais tarde a febre começa a baixar e a urina, finalmente, dá sinais de aclarar. É o sinal há quatro dias esperado, a biliosa começa a ceder. Segundo o Dr. Assoreira as próximas horas serão decisivas e conclusivas.

 

            O Baltazar nestes quatro dias deve ter perdido mais de vinte quilos. É impressionante como o organismo, em tão poucos dias, perde todas as defesas. Ele, coitadito, nem se apercebeu da gravidade pois a febre era tal que o mantinha numa grande prostração. Com o andar das horas confirma-se que a urina continua a aclarar, o tom vermelho vai dando lugar ao cor-de-rosa; a febre também desce. Uma alegria, ainda contida, começa a aflorar no nosso espírito. O Dr. Assoreira acabara de tirar das garras da morte um jovem que já estava encomendado pelo padre para entrar no Reino dos Céus. A transfusão de sangue resultara!

           

            Mês e meio depois, o Baltazar está restabelecido; O apetite é tal que não há comida que o farte. Vem dizer-me que gostava de ficar no Quitexe. Peremptoriamente disse-lhe:

 

-         Fuja destas terras e matagais, vá para o sul ou vá para Portugal!

 

            Lá partiu e nunca mais soube dele. Fiquei com a consciência de que fiz por ele aquilo que só alguns pais fazem por um filho. O Dr. Assoreira, o Homem e o Médico é o herói de todo este drama, que por pouco não acabou em tragédia. O Monteiro, que continua a ser um grande enfermeiro na parte da manhã, até diz, na parte da tarde, que foi ele que salvou o Baltazar pois o médico mandou-lhe dar 1 cm3 de óleo canforado e ele injectou um bocadinho mais e foi isso que o salvou...

.

GARCIA, João Nogueira - Quitexe 61 - Uma Tragédia Anunciada

publicado por Quimbanze às 12:18

link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 23 de Junho de 2007

As casas comerciais

RELEMBRANDO TERRAS DO QUITEXE

 

Alfredo Baeta Garcia

 

Cap. VI

 

As casas comerciais

 

As casas de construção definitiva que formavam a povoação eram cerca de 70, não considerando os edifícios públicos. Na sua maioria eram casas comerciais que, por aquilo que recordo do nome dos seus proprietários, eram as seguintes:

 

Laurindo Ribeiro

Castro da serração

Melgueira e Dias

Doiot

Viúva Guerreiro

Irmãos Correia (Manda Fama) –depois Tavares

Mário Trangalho

José Guerreiro

Pardal

Irmãos Santiago (antes de Almeida)

João Alves

Alfredo Barata

António Rocha

Celestino Guerra

Tavares

Carneiro – Guarda Fiscal

José Morais

Manuel da Pasta

Luís Correia – depois António Ramos

José Rei

Carlos Gaspar

José Morais -2ª

Antunes do Talho – depois Pimenta

Augusto Guerra

Silva Fogueteiro

Dias Mecânico – alugada aos Correios

Madame Van Der Schaff – depois irmãos Guerreiro

Josué Pacheco

Martins Gonçalves – depois Ramos

Joaquim Soreto

Norberto Morais

Jaime Rei

José Bastos Sobrinho – a primeira no tempo que foi de Rui Pombo

Ferreira

Ricardo Gaspar & Cª.

Celestino Guerra – 2ª

João Garcia

Abílio Guerra

José Pires

Manuel Topete

Guedes

Fontes – depois Carvalho Alfaiate

publicado por Quimbanze às 17:21

link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|
Quinta-feira, 21 de Junho de 2007

O Kipombo

 

 

            Estamos em Agosto de 1951 e os povos das sanzalas começam a descascar o café segundo o método tradicional no pirão. Em algumas sanzalas foram instalados, mais tarde, descascadores mecânicos accionados por motores de explosão que tornam a tarefa mil vezes mais rápida.

 

            O café, depois de apanhado no cafezal, chama-se cereja e é de cor verde. À medida que vai amadurecendo fica com tons variados, do amarelo ao vermelho vivo. A cereja é espalhada nos terreiros de modo a ser mexida três vezes ao dia para não fermentar e secar mais rapidamente. Conforme vai secando vai ficando com um tom castanho escuro, passando a designar-se por “mabuba”. Quando bem seca pode ser armazenada para posteriormente ser descascada ficando, finalmente, o grão de café.

 

             Em 51 a produção indígena era ainda processada nas sanzalas com o pirão pois os comerciantes só compravam café limpo, que era ensacado em  sacos de juta de 80 Kg. Todas as manhãs caravanas de indígenas, velhos, homens, mulheres e crianças transportam à cabeça sacos e quindas de café vindos de diversas sanzalas, espalhando-se pelas  casas comerciais conforme as suas simpatias.

 

             A estes agricultores eram distribuídas umas latas de leite vazias que serviam de medida para, cada um em sua casa, saber os “quilos” de café que trazia para venda. Essa lata, quando cheia de café, pesava 1200/1300 gramas, tendo sido baptizada por um comerciante dos lados do Toto, de nome Pombo, com o nome de Kipombo, como equivalente, em volume de café, ao Kilograma. Era esta a medida que estava generalizada por toda a região do café.

 

            Para o indígena o dinheiro pouco valor tinha, o que contava era o que levava de géneros para casa. Assim, se trouxessem 100 kipombos o comerciante reclamava se não pesassem pelo menos 120 Kg. Como o preço do kipombo era estabelecido em função do preço por quilo pago pelos exportadores em Luanda e, por vezes com a concordância das Autoridades Administrativas, o comerciante tinha no mínimo, para além da margem de revenda, uma margem de 200gramas por quilo de café. Esta margem era retribuída, em parte, ao vendedor , através do obrigatório mata-bicho que consistia em dar o mungo (sal) o vigié (peixe seco), a melele (tecido para o quimone e a tanga), o sabão, a missanga e o lenço.

             Tomando como exemplo a família do Velho Canzenza, nove mulheres e já não sei quantos filhos, o mata-bicho a dar era grande, mas a quantidade de café comprada, à volta de 150 quilos dava para que todas as mulheres e filhos de diversas idades voltassem contentes para a sanzala. O Velho era contemplado com uma garrafa de aguardente.

 

             Podemos dizer que o “marketing” do comerciante se baseava na “oferta” do mata-bicho, na sua qualidade e abundância. Por graça, refiro que uma das alcunhas de um comerciante era Mandafama, porque, depois de dar o mata-bicho dizia para o negro: -“ Manda fama!  Manda fama!” (espalha a fama do meu mata-bicho).

 

             Um dia, quando paguei ao Velho Cazenza, contando as notas de angolares perguntei-lhe:

 

-         Está certo?

-         Está certo, patrão!

-         Como é que Canzenza sabe que está certo se não sabe de contas?

-         Mas eu sabe, patrão...

 

            E vai-me explicar: tinham-se feito 7 pesagens de café; 7 sacos levando cada um 20 kipombos a 10 angolares o que totalizava 1400 angolares.

 

             Então o velho manda as mulheres porem lado a lado cada um dos sete sacos e diz-me:

 

-         Patrão, troca o quitar (dinheiro) em notas cama, cama (cem, cem).

 

            Assim fiz, e então o velho agarra nas notas e começa a pôr, em cima de cada saco, duas notas de cem. Fez o mesmo com todos os sacos e, quando chegou ao fim, lá estavam na mão as duas notas para cobrir o último saco.

-         Como vês patrão, está certo. Se faltasse dinheiro as notas não chegavam para cobrir todos os sacos. Chegaram, está certo!

 

Fiquei de boca aberta, eles bem sabiam quando estavam a ser roubados pelos comerciantes sem escrúpulos. 

 

            Feitas as contas o Velho diz para ir ao livro para pagar parte do débito. Então começa a descrição:

 

-         No dia tal foi o mala peixe.

-         Está certo patrão.

-         No dia tal isto e aquilo, e ele ia confirmando.

-         Soma patrão!

 

            Se totalizava, por exemplo, 1500 angolares ele dava mil e ficava a dever quinhentos, o que era bom sinal porque se pagasse tudo era por que deixaria de ser freguês. Depois ia gastar o resto do dinheiro nas compras mais necessárias, não esquecendo os milongo (remédios) para o lombriga, para o diarreia, para o dor de cabeça, o mata dores, e mais ao ouvido dizia-me:

            - Oh patrão arranja comigo milongo pró guso (remédio para a impotência), também havia!

 

            Mas, não se pense que, nesta relação comercial, os únicos explorados eram os indígenas. Os comerciantes eram, afinal, os intermediários entre estes e os grandes exportadores de Luanda, que enriqueciam à custa dos pequenos comerciantes que, sem possibilidades económicas, eram obrigados a vender o café que compravam numa semana, para arranjarem dinheiro para comprarem na semana seguinte. Os exportadores vão enchendo os grandes armazéns que têm em Luanda com café comprado a baixo preço na altura da colheita. Quando a oferta é muito superior à procura o comerciante do mato tem que se sujeitar à chantagem dos preços que lhe impõem e, também aos mil e um defeitos atribuídos na classificação do café: muito bago furado, bago miúdo, muita humidade, muitas impurezas. Todos nós sabemos que nos próximos três a quatro meses, quando os grandes barcos começarem a carregar os milhares de toneladas de café que os exportadores têm armazenadas, a situação inverte-se, a procura é maior que a oferta e os preços disparam. E, então o pequeno comerciante toma consciência de que quem mais lucrou foram os grandes exportadores que, em Luanda, sentados a uma secretária, exploram os homens do mato que no interior de Angola, em situações de isolamento, sem qualquer conforto, vão em convívio fraterno, porque não dizê-lo, com os africanos, criando um modus vivendi de interdependência.

GARCIA, João Nogueira - Quitexe 61 - Uma Tragédia Anunciada

publicado por Quimbanze às 23:56

link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 19 de Junho de 2007

RELEMBRANDO TERRAS DO QUITEXE

Alfredo Baeta Garcia

 

Cap. V

Os comerciantes

 

 

A povoação comercial do Quitexe aparece nos primeiros anos da década de quarenta a partir do posto administrativo e da Delegação de Saúde, ligada à comercialização da produção indígena de café, que se iniciara uns anos antes. As primeiras casas comerciais desta época eram propriedade do agricultor do vale do Loge, Rui Pombo e do Ricardo Gaspar, geridas respectivamente pelo Rocha e pelo Jaime Rei. Seguiu-se a do meu irmão João Garcia e a do Celestino Guerra. Em 1954 já havia cinco estabelecimentos e respectivas residências anexas. Deste comércio resultava uma relação de interesses recíprocos entre as duas comunidades.

Casa de João Garcia ( à direita) e de Celestino Guerra em construção (à esquerda)

.

O maior aumento da população europeia da Vila deu-se com a valorização do café poucos anos depois do fim da segunda guerra o que originou uma corrida ao ouro negro, de tal modo que surgiram comerciantes oriundos das mais diversas actividades. Todos os que tivessem conseguido amealhar algum pequeno capital que permitisse construir uma pequena casa comercial e um pouco mais para a abastecer com mercadorias quase simbólicas.

         Na maioria dos casos esta corrida resultou numa grande desilusão, cortando as asas á esperança de, a partir dali, vir a ter uma fazenda, como aconteceu nalguns casos. Toda a produção indígena, ainda que fosse dividida igualmente por todos os comerciantes, o que não acontecia, não dava para viver, ainda que modestamente. A única recompensa efectiva era passar nove meses em cada ano sem fazer nada, pois o período de comercialização de cada colheita só durava três meses e a venda de bens de consumo durante o resto do ano era muito escassa. Mesmo esta estava reservada aos comerciantes que tinham capacidade económica para conceder crédito aos maiores agricultores, à mistura com a maior ou menor habilidade de criar simpatias e cativar clientes na reduzida população local.

         Entretanto alguns foram desistindo e outros não chegaram a abrir as portas, até que a guerra reduziu drasticamente o seu número. Mesmo no período de maior desenvolvimento, nesta vila, nunca houve uma sociedade Quitexense, ao contrário do que sucedia, ali bem perto, em Camabatela. De facto não houve tempo para qualquer sedimentação social da população europeia. A primeira geração branca nasce no início da década de 50 (António Manuel Guerra -1950 - filho de Abílio e Helena Guerra , António Rei-1951 - filho de Jaime e Glória Rei, António José Garcia-1952 filho de João e Aline Garcia) mas, com o início da guerra logo se dispersa concentrando-se nos meios urbanos maiores ou, mesmo regressando a Portugal.

         No entanto a Vila progrediu: Foi asfaltada a nova estrada para Luanda, pelos Dembos, foi construída a escola primária, adaptaram-se a novas instalações hospitalares os acampamentos da TECNIL, construiu-se o clube com sala para cinema (feio, mas grande), a igreja e casa paroquial, um campo de futebol e uma pista para aterragem de pequenos aviões.

Durante a guerra talvez a população europeia pouco tivesse diminuído. O comércio orientou a sua actividade noutro sentido, menos numeroso, mas mais evoluído, pois a sua clientela era diferente nos seus hábitos, mesmo a indígena, os havia alterado. Era a guarnição militar da zona, o corpo de voluntários e a maior parte dos empregados das fazendas que passaram a abastecer-se nos estabelecimentos da Vila. Simultaneamente abriram bares e restaurantes para servirem a nova clientela e toda a população que, entretanto, sem se dar conta, tinha alterado os seus hábitos.

         A tropa, tomando de arrendamento quase todas as casas devolutas, deu à povoação uma nova fisionomia para a qual também contribuiu a instalação de uma enorme senzala, pode dizer-se que incorporada na Vila, através de uma zona de transição habitada por brancos e negros. Chamava-se Kadilonge que, suponho, quer dizer “onde se aprende”.

 

Apesar de tudo, foi a população europeia constituída pelos comerciantes que manteve com as populações locais os laços visíveis e efectivos da coexistência pacífica, possível durante os anos em que lá permaneceu. Creio que estes laços se manterão na memória de uns e de outros que ainda pertençam ao número dos vivos.

publicado por Quimbanze às 23:08

link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 17 de Junho de 2007

1949 - A BILIOSA MATA NO QUITEXE

 

 

            Outubro, talvez Novembro de 1949, as chuvas já estavam de volta. Vindo da fazenda que o Ricardo Gaspar andava a fazer nas matas do Zalala, um branco é deixado na casa comercial da mesma firma, que tem sede no Uíge. O empregado do estabelecimento é o Jaime Gonçalves Rei, um transmontano, na altura solteiro como eu, a quem é entregue o moço que vem muito doente, a urinar sangue e com muita febre. Vem para ser assistido, mas o Quitexe está sem médico pois o Dr. Veloso raramente cá vem desde que passou a dar assistência à região de Cambambe, já nos Dembos. De enfermeiros, também estamos mal, pois foi aqui colocado um recém formado cabo-verdiano, sem qualquer experiência.. Alguém afirma tratar-se de uma biliosa, doença quase sempre fatal se não for imediatamente atacada. O enfermeiro, de nome Fortes, nunca ouvira falar de tal doença. Eu e o Rocha vamos ajudando o Rei a tratar do moço. Afinal somos os três, os únicos residentes na povoação.

 

            A situação agrava-se pois agora deixou de urinar, tornando a situação ainda mais complicada. É uma biliosa anúrica que mata em três dias pois a destruição do organismo com o sangue envenenado é tal que reduz o peso do paciente para metade nestes dias. Depois do enfermeiro dizer que nada podia fazer vamos ter com o Chefe do Posto, Lopes Soares e damos-lhe conta da situação. Ele estava bem consciente da gravidade da doença, pois como administrativo já várias vezes tinha notificado as autoridades e os familiares das vítimas da biliosa. E agora, que fazer? Hospital e médico só no Uíge ou em Camabatela; Camabatela era a sede do concelho do Quitexe, mas ficava a 70 Km e o Uíge a 50. Foi tomada a opção de ir ao Uíge buscar um médico pois além de mais perto tinha melhor estrada. A ida a Camabatela implicava subir a serra do Canancajungo, de muito difícil acesso, agora que as chuvas já começaram. Acaba de anoitecer e o Chefe do Posto, Lopes Soares diz:

 

-         Eu vou ao Uíge e você, Garcia, venha daí comigo!

 

            Naquela altura ninguém tinha carrinha, a não ser o médico. O chefe do Posto tinha, há pouco tempo, uma “chevrolet” oferecida pelos fazendeiros. Lá vamos os dois mais um cipaio que salta para as traseiras do carro. A parte difícil da viagem são os morros do Laurindo Ribeiro mas, ainda que  tenhamos que meter correntes, vamos chegar ao Uíge. Às nove horas entravamos na povoação e dirigimo-nos a casa do médico. O Chefe regressa à carrinha:

 

-         Vamos ao Ferreira Lima que ele está lá.

 

            Eu voltei a ficar na carrinha enquanto ele entra na residência. Esperei um bocado e eis que regressa sozinho:

 

-         Oh Garcia, o médico está a jogar às cartas e recusa-se a ir, dizendo que o Quitexe pertence a Camabatela. Expliquei-lhe a gravidade da situação, mas não o consegui demover.

 

            Só nos resta voltar pelo mesmo caminho, e é o que fazemos. Retornamos ao Quitexe cerca da meia-noite. O moço, de nome Miranda (se não me falha a memória), tinha piorado. Até lhe tinham dado cerveja, que é diurética, para ver se ele urinava e alguém já dizia:

 

-         Talvez um copo de espumante!

 

Barbaridades!

 

            Vamos esperar por amanhã. O Chefe do Posto foi para casa tentar, via rádio, contactar Camabatela, o que não é fácil, pois só ao meio-dia é que normalmente estão à escuta. Eu e o Jaime Rei ficamos no quarto do doente, enquanto o enfermeiro ia para o posto sanitário. Sem médico todos nós tomamos consciência que nada de bom irá acontecer nas próximas horas.

 

            De manhã aparece o enfermeiro, a febre não baixa e o coração bate cada vez mais fraco. Vem também o Chefe Lopes Soares que está inconformado com a atitude do médico. O Chefe está ao nosso lado. As horas vão passando e o desenlace fatal aproxima-se. O Miranda faz sinal com os braços e, numa voz já sumida, pede que o levantem. Sento-me por trás dele e levanto-o até ficar sentado com a cabeça encostada ao meu peito. De repente sinto a cabeça do Miranda tombar para o lado. O enfermeiro apalpa o pulso e diz que o coração deixou de bater, morreu!

 

            A notícia chega às quatro fazendas, Guerra & Cia, José Bastos, Matos Vaz e Pumbaloge, ao tempo as existentes no Quitexe. A indignação é grande e nós temos que reagir. No Quitexe não há cemitério e o chefe do posto, depois de contactar o Ricardo Gaspar, decide que o funeral se faz no Uíge em vez de Camabatela, o que vem ao encontro dos nossos desejos.

 

            A notícia da morte de um branco, a quem foi negada assistência médica cria uma onda de revolta. No dia seguinte a população do Quitexe constituída pelo cidadão António Lopes Soares (Chefe de Posto), eu , o Jaime Rei e o Rocha estamos preparados para acompanhar o corpo do Miranda que, ainda jovem, veio encontrar a morte onde esperaria, um dia, realizar o sonho de uma vida melhor. Também os empregados brancos e os proprietários ou gerentes das fazendas vão estar presentes. Chegados ao Uíge, somos surpreendidos com a adesão dos comerciantes que fecham as portas dos estabelecimentos e se encorporam no funeral.

 

             Mas para nós, homens do Quitexe, a revolta é grande. Sabendo que o Chefe do Posto estava do nosso lado fizemos seguir um telegrama para o Sr. Governador-geral de Angola que mostrava a nossa indignação por ter sido negada assistência médica a um compatriota que acabava de ser sepultado, solicitando que fossem tomadas providências. Muitos meses depois soubemos que Sua Excelência o Governador-geral tomara o assunto a peito e havia transferido o Delegado de Saúde do Uíge, que se negara a dar assistência ao Miranda. Como “castigo” foi ocupar o lugar na cidade mais apetecida de Angola, Luanda, onde ficaria pertinho das praias, dos cinemas e da Ilha, onde os mariscos e a cerveja fresquinha fariam esquecer essa Angola profunda onde homens rudes, talvez sem cultura, viviam e morriam na procura da terra prometida.

.

.Quitexe 61 - Uma Tragédia Anunciada - GARCIA, João Nogueira

publicado por Quimbanze às 23:20

link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 15 de Junho de 2007

Relação dos Chefes de Posto e Administradores do Quitexe

Por Alfredo Baeta Garcia

.

  Chefes do Posto Administrativo do Quitexe - Concelho de Ambaca - Distrito de Quanza Norte

.

António Lopes Soares

 

Mário da Silva Carranca

 

Alferes Carvalho

 

Manuel da Silva Barreiros

 

Carlos Mendes

 

Genro do Dr. Almeida Santos (não recordo o nome)

 

Nascimento Rodrigues

 

Administradores do Concelho do Dange - Distrito de Uíge

.

Em 1961 foi criado o novo Concelho do Dange com sede na Vila do Quitexe, sendo os seguintes os seus administradores:

 

Rodrigo José Baião (vindo de Chefe do Posto de 31 de Janeiro)

 

João Nunes de Matos

 

Raul Teixeira, interino

 

Octávio Pimental Teixeira

 

Galina, interino

 

 

Médicos

 

Até 75 apenas houve dois médicos permanentes, mas a exercerem particularmente:

 

Antes de 61 : Almeida Santos

Anos depois de 61: Joaquim Martins Correia

 

 

Enfermeiros

Monteiro

 

Sousa

 

Mário Alves

 

publicado por Quimbanze às 19:23

link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 13 de Junho de 2007

RELEMBRANDO TERRAS DO QUITEXE

 

Alfredo Baeta Garcia

 

Cap. IV

 

 

O consumo de bens à disposição da população indígena, no mercado local, teve uma significativa explosão com a valorização do preço do café e o consequente aumento das áreas por eles cultivadas, chegando nalguns casos e nos últimos anos a utilizar mão de obra assalariada do Sul.

Os problemas mais graves entre brancos e pretos surgiram durante a demarcação das fazendas dos agricultores europeus quando estes não respeitaram os legítimos direitos dos povos já instalados, com os quais confinavam. Como esta população não dependia economicamente dos europeus, pelo facto de serem produtores independentes e não assalariados, não se geravam motivos para situações da conflitos graves, a não ser aqueles que resultam de desníveis de cidadania que por sua vez são a consequência, na parte que lhe cabe, não de graus de cultura, mas da natureza diferente das suas culturas, à mistura com algum racismo, para além daquele que é normal resultar da coexistência de duas raças no mesmo espaço e de que ambos eram responsáveis, ainda que em medidas diferentes. Tudo isto, mais cinco séculos de passado, determinou que o poder estivesse na mão dos brancos. Quando deixou de estar, viu-se o que aconteceu.

Esta independência económica era tão manifesta que levou um chefe de posto a decretar o absurdo: quem não fosse trabalhador por conta de outrem era obrigado a ir para o contracto e/ou a trabalhar na granja do posto. E assim passamos a contratar ficticiamente alguns agricultores locais, o que também era um modo de os fidelizar como clientes.

Hélio Felgas, que como governador do distrito do Congo foi paladino da utilização da “pressão da autoridade” na obtenção de contratados, explana, sem dúvidas para ninguém, o seu pensamento na obra já citada “ As populações nativas no Norte de Angola”:

 

“ Ainda hoje os hábitos de trabalho estão tão pouco arreigados que os nativos só chamam trabalho ao que executam por conta alheia. O trabalho por conta própria não é trabalho.

De resto só ultimamente têm aparecido no nosso Congo alguns voluntários para trabalho de conta alheia. A maioria só pela pressão da autoridade trabalha e mesmo assim fá-lo só para preencher determinado objectivo: Pagar o “alembamento”, adquirir bugigangas, etc. Uma vez satisfeito o capricho entendem que já não precisam trabalhar mais. E se a autoridade não faz pressão só voltam a trabalhar quando tiverem novo capricho.”

 

A “pressão” da autoridade foi até ao fim do mandato deste governador o único meio para atingir a contratação. Paredes-meias, ali ao lado, no Quitexe e nesta época o panorama era um pouco diferente(nesta data o Quitexe integrava-se no Distrito do Quanza Norte).

Paralelamente a esta população permanente havia a outra que trabalhava nas fazendas dos europeus e era temporária, equivalendo-se numericamente, não havendo entre elas qualquer tipo de relacionamento, o que explica o comportamento de cada uma, durante a guerra.

 Contratados do Sul

publicado por Quimbanze às 23:05

link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 11 de Junho de 2007

Aspectos etnolinguísticos

RELEMBRANDO TERRAS DO QUITEXE

 

Alfredo Baeta Garcia

 

 

 

Cap. III

 

Aspectos etnolinguísticos

 

 

 

O Norte de Angola é habitado exclusivamente por povos bantos e nele se pode observar uma relativa homogeneidade étnico-linguística.

Distinguem-se, no entanto dois sub-grupos étnico-linguísticos: o “KiKongo” e o “Kimbundo”.

Ao sub-grupo Kikongo pertencem os povos Mussuco, Pombo, Muxicongo, Mucongo, Muzombo, Muiaca e Mussorongo.

 No sub-grupo Kimbundo podem ser incluídos os Ambundos (Dembos), os Ngolas, os Gingas, os Bahungos e os Punas. (FELGAS, Hélio - "As Populações Nativas Do Norte de Angola" - 1965)

Mapa retirado da obra citada 

 

O Quitexe, estando situado numa zona do grupo Kimbundo é um local de transição entre os N’Gola, também chamados Ambaquistas, e a pequena etnia M’Hunga (BaHungos), vivendo (1961) em senzalas separadas, mas sem sinais de agressividade expressiva.

A distribuição destas duas etnias por senzalas, era a seguinte (1961):

 

N’Gola – Ambuíla, Quimbinda, Luege, Taela, Cacuaco, e Dambi N’Gola;

 

Hungo – Quitoque, Quimassabi, Tala M’Banza, Cuale, Bumbe, Mungage, Catenda, Aldeia, Zenza Camuti, Quimulange, Cahunda, Tabi, Combo, Quimucanda e Catulo.

 

Refira-se que depois do início da guerra foram poucos os N’Golas que se “apresentaram” às autoridades portuguesas.

 

 

 

publicado por Quimbanze às 23:13

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Aspectos sócio-económicos

RELEMBRANDO TERRAS DO QUITEXE

 

Alfredo Baeta Garcia

 

Cap. II

 

Aspectos sócio-económicos

 

A produção cafeeira desta área era proveniente de duas origens: a europeia, das fazendas e a indígena, das lavras, sendo a diferença resultante do tamanho das plantações. Tanto umas como as outras desenvolveram-se sensivelmente ao longo dos últimos 50 anos, terminados em 1975. As fazendas foram, na maioria dos casos iniciadas por comerciantes e altos funcionários vindos principalmente de Luanda que demarcavam os melhores terrenos ao longo dos vales dos vários rios e, na maior parte dos casos, mantinham improdutivos garantindo a sua posse até que viessem melhores dias quer para iniciar os trabalhos, quer simplesmente para os vender.

No vale dos rios Huamba e Lumenha, e no fim da época em referência estavam instaladas as seguintes fazendas identificadas, na sua maioria, pelos nomes dos proprietários:

Esmeralda, de José Bastos; Pumbassinge, de Silva Fogueteiro; Rio Vouga, de Guerra e C.ª; Ricardo Gaspar; José Guerra; Buzinaria, de Celestino Guerra; Dr. Daniel da Cruz e irmão; Álvaro da Cruz Pacheco; Quinta das Arcas, do Dr. Manuel José Pinto Assoreira; S. Pedro, sucessivamente do Dr. Pinto da Fonseca, Madame Van der Schaff e irmãos Guerreiro; Juiz Gomes Teixeira; Companhia Agrícola do Pumbassai de Bernardino Correia da C.ª Colonial de Navegação; Maria Amélia de Diogo e C.ª; Patrocínio; Grussel; Muzecano. Estas fazendas eram servidas pela estrada para Camabatela a 85 Km.

 

No vale do Loge, ao longo da estrada para o Uíge, a 45 Km, separado do vale do Luege pela imponente serra do Pingano, ficam as seguintes fazendas:

Carlos Gaspar; José Bastos sobrinho; Marcelina Belo; Cuale-Antoave, de Matos Vaz e C.ª; Pumbaloge, de Herdeiros de Dr. Torres Garcia e Ferreira Lima e, finalmente, Dr Borja Santos, que não foi reocupada.

 

No Vale do Luege e na estrada para Nova Caipemba, a cerca de 80 Km:

Quimbanze, de Romão & Garcia; João Alves; António Poço; Major Eurípedes e Boaventura Gonçalves; José Poço; Artur Cabral, anteriormente do Dr. Machado Faria; Madame Ruth, que antes foi do Arq. Batalha; Jaime e Glória Rei; Zalala, de Ricardo Gaspar e no “plateau” da serra do Pingano, a Belpingano que antes foi sucessivamente de Amadeu Brandão, Aires Rodrigues, Amadeu dos Santos e, finalmente de Rui Duarte Pombo.

 

No vale do Vamba e na sua margem direita, no caminho sem saída que parte da estrada Quitexe - Luanda, a cerca de 300 Km, passando pelos Dembos:

Alcides Morais que explorava a Minervina que era ou foi de Dionísio e talvez ão pertencesse ao Quitexe por ficar na margem esquerda do Vamba; uma pequena plantação de Josué da Costa Pacheco, que não foi reocupada e, a última desta linha, a Vamba de Fernando Santos Diniz.

 

Além destas havia várias pequenas fazendas, umas que não passaram de projectos e outras que foram abandonadas no princípio da guerra e não foram reocupadas por não terem viabilidade económica.

 

A quase totalidade da mão-de-obra utilizada nestas fazendas vinha do Sul e quase exclusivamente do distrito do Huambo.

A origem sócio-económica dos europeus que residiam nas fazendas sofreu uma sensível alteração com a eclosão da guerra, pois a maior parte dos proprietários abandonou-as como local de residência, sendo substituídos por gerentes, a maioria deles antigos capatazes que a guerra promoveu, o que, juntamente com as necessidades de defesa fez aumentar significativamente esta população durante os últimos 14 anos de domínio português.

É muito difícil fazer uma estimativa da produção europeia dos últimos anos da qual, aliás, nunca houve estatísticas fiáveis. Apesar disso pode adiantar-se um número que não estará desmesuradamente afastado da realidade: quinze mil toneladas/ano.

   

A população negra, originária da região e a residir em permanência na área não era numerosa, podendo atingir cerca de três mil pessoas. Vivia exclusivamente da agricultura de subsistência nos produtos alimentares, e do café que era transaccionado pelos comerciantes europeus da vila e que nos últimos anos, antes da guerra, terá atingido cerca de quinhentas toneladas/ano.

 Loja no Quitexe

Habitava senzalas relativamente pequenas, não atingindo, as maiores, mais do que quinhentos habitantes. O Estado só a partir do início da guerra se começou a preocupar com as estas povoações, levando a efeito a construção de algumas infra-estruturas no reduzido número agora existente, já que a população da maioria tinha fugido para o Congo ou vivia nas matas. De realçar, no entanto, que no aspecto médico-sanitário, tinha-se realizado uma obra de indiscutível valor, pois erradicou o maior flagelo que estava na origem de tão baixa densidade populacional, a doença do sono ( tripanosomíase).

publicado por Quimbanze às 20:11

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Sábado, 9 de Junho de 2007

Relevo e hidrografia

RELEMBRANDO TERRAS DO QUITEXE

 

Alfredo Baeta Garcia

 

Cap. I

 

Geografia - O relevo e a hidrografia

 

O estabelecimento permanente dos portugueses nesta área está exclusivamente ligado à produção e comercialização do café, sendo a região do Quitexe, aqui referida, aquela que corresponde aproximadamente ao antigo Encoge e tem como centro a povoação de Quitexe, formando a partir dela uma estrela de três pontas, sendo a primeira constituída pelo amplo vale dos rios Huamba e Lumenha que tem ao Sul o seu limite geograficamente bem definido no Rio Dange.

As outras duas pontas correspondem, uma ao vale do rio Loge, que é o resultado da confluência dos referidos Huamba e Lumenha e é, também a mais curta, pois termina na embocadura do rio Luquiche . A última corresponde ao vale do rio Luege a partir da formação do maciço da Serra do Pingano que se interpõe entre o vale deste rio e o do Loge e se estende por mais de sessenta quilómetros até ao Kananga e terras de S. José do Encoje. Existe uma segunda área geograficamente distinta desta, constituída pela margem direita do vale do Rio Vamba, tendo a separá-las a serra do Quimbinda.

Este conjunto formava o antigo Posto Administrativo do Quitexe, então ligado ao concelho de Ambaca, com sede em Camabatela e que, posteriormente, mais alargado, deu origem ao Concelho do Dange

Mapa de 1968
publicado por Quimbanze às 21:52

link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 6 de Junho de 2007

Nome dos habitantes de algumas sanzalas do antigo Posto Administrativo do Quitexe em 1961

SANZALA

HABITANTES

CAUNDA

Quifanga

Isabel Cabalo

Cecília Canga

Joaquina Cahunda

 

 

OUTRAS ORIGENS

Augusto César (Bailundo)

Domingos

Quintas (origem desconhecida)

Anastácio (origem desconhecida)

Cadete (origem desconhecida)

Sebastião (enfermeiro-Quibaxi)

Mariquinhas (Camabatela?)

OUTRAS ORIGENS

Babilónia (Dembos)

Armando (Huambo)

Arranca Ferros (cipaio-Cananga)

Lária (ajudante da G. Fiscal-o. d.)

 

Conceição César

Luísa (Uíge)

Graça Bento (Quindenuco-Uíge)

Verezinha (Sanza Pombo)

Vitória (mulher do Hilário-Huambo)

Graça (mãe do Hilário-Lucala)

Maria Lisboa

Graça

Joana (Huambo)

Graça (voluntários - Negage

Joana (Huambo)

Jimbolo (Huambo)

Rute (Huambo)

Mariana (Salazar)

 

3 Lista elaborada de memória, 38 anos mais tarde (1961 – 1999),  pelo meu tio Alfredo Garcia

publicado por Quimbanze às 18:24

link do post | comentar | favorito
|

Nome dos habitantes de algumas sanzalas do antigo Posto Administrativo do Quitexe em 1961

SANZALA

HABITANTES

QUITOQUE

Feraz

Doqui

Matumbuque Senzala

Abel Canga

Manuel Dala

Girão Manuel

Raúl Manuel

Arnaldo Doqui

QUITOQUE

Gariama

Samuel

Olenda

Alfredo Bindo

Ambrósio

Marques Kúfua

Raúl Krim

Filipe Paca

Pedro Mazenga

 

Joana Olenda

Isabel Mahindo

Helena Raúl

Alcina

 

 

AMBUÍLA

Mafuta

José Mafuta

Domingos Mafuta

José Cussucola

Cussecala

Cardoso (assimilado)

Cabaca (Rei do Ambuíla)

Santos Mabanza

Kariembo

Paulo Domingos (Carqueija)

Maínga

 

Maria Caxaxe

Joana Mafuta

M’Baca

 

 

BUMBE

Pedro Puto

Laurindo Puto

Santos

Matos Matoso (catequista)

 

 

CACUACO

Domingos Gonga

Garcia Gonga

Pedro Daniel

 

 

MUNGAGE

Foto

Uilo

António Morais

MUNGAGE

Loreto

Quiombo

Cama

Gaspar Diavula

Mendes K’Yeto

João

Binza

Almeida

publicado por Quimbanze às 18:22

link do post | comentar | favorito
|

Nome dos habitantes de algumas sanzalas do antigo Posto Administrativo do Quitexe em 1961

SANZALA

HABITANTES

TALABANZA

José Bambi

Fernando Panzo

Dimora Panzo

Jorge Panzo

Manuel Panzo

Quitoco Pereira

Tito

TALABANZA

Quijingo Panzo

João Londa

Jonas

Gamboa

Mateus Beje

Kufunda

Dombe

Dinis Dombe

Brandão Macumbe

 

Inês Panzo

Rosa Pereira

Lamba (Mãe de Mateus Beje)

 

 

QUIMASSABI

Quileba

Garcia Panzo

Pedro Cardoso Quieleca

João Cardoso

Domingos M’Banza

Zangue

Joaquim Zangue

António

Domingos Massuaco

Morais Tambo

Quinherres Manuel (forneiro)

Escrito

Raúl (forneiro)

José Heitor (forneiro)

Pena

Fonseca Raúl

 

Amélia Caricaia

Isabel

Lucixe

publicado por Quimbanze às 18:20

link do post | comentar | favorito
|

Nome dos habitantes de algumas sanzalas do antigo Posto Administrativo do Quitexe em 1961

SANZALA

HABITANTES

 

 

DAMBI

José Cabenda das Barbas (antigo catequista)

Salomão

 

Maria Cabenda

Helena

 

 

TAELA

João Pinto

 

 

LUEGE

José Mário

Vinte e Dois

 

Judite Mário

Esperança

 

 

QUIMBINDA

Cordeiro

Monteiro

Quituia

Milane (Miranda)

Sousa (Alfaiate)

João Baptista

 

Morraça

Lavadeira do Carlos Gaspar

 

 

QUIMULANGE

Camilo Videira

 

 

 

 

CATENDA

Capemba

 

 

TABI

Soba Tabi

Domingos Sapateiro

 

Verezinha

 

 

ALDEIA

Canzenza

Francisco Nhema Canzenza

Oliveira Canzenza

Rugas (Lucas)

Uína

Ramiro

Tico

 

Fineza

Joana

Maria Maísa

Maria Pemba

 

 

CUALE

Neves Quipica (lep.)

Marcelina Belo

  

publicado por Quimbanze às 18:16

link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 4 de Junho de 2007

MAPA DE ANGOLA

 

publicado por Quimbanze às 22:11

link do post | comentar | favorito
|

.OUTRAS PÁGINAS

.posts recentes

. Batalhão de Caçadores 3 e...

. Município de Quitexe nece...

. O Nosso Bondoso Director

. Associação da União dos N...

. Governador do Uíge emposs...

. Plano Urbanístico do Quit...

. Fotografias do Quitexe - ...

. 15 de Março - "Perderam-n...

. Comentário de Victor Roma...

. Quitexe: Aumenta índice d...

.FOTOS

.MAIS FOTOS

.arquivos

. Junho 2017

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Novembro 2014

. Março 2014

. Janeiro 2014

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Janeiro 2013

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

.mais sobre mim

.Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.pesquisar

 

.VISITAS

.ONDE ESTÃO

.No Mundo

.subscrever feeds