Terça-feira, 30 de Outubro de 2007

Histórias na tragédia

Aproximavam-se as férias da Páscoa, e a maioria das crianças ainda estava nos colégios, em Luanda. Vítor Poço, por acaso, viera mais cedo. Tinha 14 anos e nas folgas ajudava a família, tomava conta da criação e dava uma mão na cantina. Vendem de tudo, coisas que a mãe, Ester Poço, costura, mercearia, pão e vinho, este, diga-se a bem da verdade aldrabado.

.

Na véspera, um grupo de oito homens aparecera para se abastecer e só levara grande quantidade de sal e fósforos. Vítor estranhou e nunca chegou a perceber a razão de semelhantes gastos. Jaime Weba, um dos rebeldes, pensou em tudo e bem: “Como íamos para a mata sem saber por quanto tempo, o sal era essencial para a alimentação, e os fósforos desfazíamos, misturávamos com pólvora e enchíamos os pipos dos canhangulos.” No dia seguinte, Weba volta à fazenda com os oito homens, mas agora para reclamar o que é seu. Ester poço não era mulher receosa, mas, ao ouvir o grupo trocar entre dentes algumas palavras com os seus criados, pareceu-lhe escutar qualquer coisa de armas e catanas. Fica alerta.

.

Tinha nascido perto de Pombal, o Pai era mestre-de-obras, tinha umas courelas, gado e pastores, uma taberna. Muito trabalho, mas muita fartura. Casou com um primo direito, Arnaldo e partem para Angola, desencaminhados pelo irmão do marido, um tal António.

.

Formam uma sociedade, demarcam um terreno, registam-no na administração. Passados 5 anos de muita labuta, quando finalmente a terra ia dar café, Arnaldo é enganado pelo salafrário de irmão.

 .

Ester conhece pela primeira vez dificuldades, chegam a não ter que comer. Começam do zero. Fazem nova demarcação perto do Quitexe, na zona do Ambuíla, erguem uma casa de estacas com barro amassado, um comerciante piedoso adiante-lhes os alimentos, dormem numa tarimba com os filhos, que têm medo das feras. Mas lá se aguentam. Arnaldo desloca um morro de salalé, e é lá que Ester cose o pão. Chega a parir sozinha.

.

Não era mulher para esmorecer, e foi a fazer costura para os negros, quimonos, colchões, que pôs a roça a funcionar. Não tem licença para vender na cantina, mas é grande a necessidade. Em Carmona compra tecidos que vêm do Congo, vende sal, fósforos e outras ninharias: “Admito que tive que fazer isso, mas não fazia grandes preços, não explorava”. Quando as coisas começaram a andar, um dos bailundos avisa Arnaldo de que havia armamento nas sanzalas. Ele fez o seu dever, participou ao chefe do posto, que não ligou.

.

Quando a revolta começa, Ester já está no terreiro. Lá de cima vê o marido entre os contratados a fazer um alinhamento para o cacau. Eram seis da manhã, mais coisa menos coisa, quando aparece o grupo do dia anterior. Dividem-se, seis vão na direcção  de Arnaldo e os outros vêm ter com ela. Entretanto um dos criados aproxima-se da casa. Intui a armadilha: “Ai que me vai roubar a arma”. Corre na direcção de Vítor e passa-lhe o revólver. “Se precisares, faz fogo”. Já outro ía direito à casa da empregada, a Eduarda. Ester que sabe que lá há uma caçadeira, tenta chegar primeiro. Retira a espingarda da parede, enfia-lhe dois cartuchos e dá um tiro para o ar. Da Eduarda nem rasto, só os filhitos lá estão, muito encolhidos num canto. Sai para o terreiro quando ouve um grito de aflição. Era o marido que tombara na fiada de cacau. Atrás dela um guerrilheiro de catana erguida. Dá mais dois tiros, e o grupo, que não esperava o atrevimento da mulher, põe-se em fuga. Vitor e os irmãos correm na direcção da mãe. E é nesse momento que chega a empregada empapada em sangue. Os filhos agarram-se à bata preta, desbotada, com riscas vermelhas. Senta-se no chão, espera o fim. “Vimo-la acabar-se, com a aflição da morte agarrou-se a uma cadeira e deitou-a para cima dela.”

.

Durante uma semana, Ester anda de caçadeira à cinta, desgovernada da cabeça: “pensava que ía morrer e só pensava em matar, em vingar-me.”

.

Retirado do jornal O Expresso – Revista – 14/03/98

 

 Texto de Felícia Cabrita

publicado por Quimbanze às 22:29

link do post | comentar | favorito
|

.OUTRAS PÁGINAS

.posts recentes

. Batalhão de Caçadores 3 e...

. Município de Quitexe nece...

. O Nosso Bondoso Director

. Associação da União dos N...

. Governador do Uíge emposs...

. Plano Urbanístico do Quit...

. Fotografias do Quitexe - ...

. 15 de Março - "Perderam-n...

. Comentário de Victor Roma...

. Quitexe: Aumenta índice d...

.FOTOS

.MAIS FOTOS

.arquivos

. Junho 2017

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Novembro 2014

. Março 2014

. Janeiro 2014

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Janeiro 2013

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

.mais sobre mim

.Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.pesquisar

 

.VISITAS

.ONDE ESTÃO

.No Mundo

.subscrever feeds